A BANDEIRA BRASILEIRA
 

CORRESPONDÊNCIA DAS ESTRELAS COM OS ESTADOS BRASILEIROS

Através da Lei no 8. 421 e 11 de maio de 1992, que altera a Lei no 5. 700 de 1o e setembro de 1971, temos:

" . . . Art. 3o - A Bandeira Nacional, adotada pelo Decreto no 4 de 19 de novembro de 1889, com as modificações da Lei no 5. 443 de 28 de maio de 1968, fica alterado na forma do Anexo I desta Lei, devendo ser atualizada sempre que ocorrer a criação ou a extinção de Estados.

Parágrafo 1o - As constelações que figuram na Bandeira Nacional correspondem ao aspecto do céu, na cidade do Rio de Janeiro, às 8 horas e 30 minutos do dia 15 de novembro de 1889 (doze horas siderais) e devem ser consideradas como vistas por um observador situado fora da esfera celeste.

Parágrafo 2o - Os novos Estados da Federação serão representados por estrelas que compõem o aspecto celeste referido no parágrafo anterior, de modo a permitir-lhes a inclusão no círculo azul da Bandeira Nacional sem afetar a disposição estética original constante no desenho proposto pelo Decreto no 4 e 19 de novembro de 1889.

Parágrafo 3o - Serão suprimidas da Bandeira Nacional as estrelas correspondentes aos Estados extintos, permanecendo a designada para representar o novo Estado, resultante de fusão, observado, em qualquer caso, o disposto na parte final do parágrafo anterior"

 

ESTADO

ESTRELA

Acre

Gama da Hidra Fêmea (magnitude = 3)

Alagoas

Sargas - Teta do Escorpião (magnitude = 2)

Amapá

Mirzam - Beta do Cão Maior (magnitude = 2)

Amazonas

Procyon - Alfa do Cão Menor (magnitude = 1)

Bahia

Gacrux ou Rubídea - Gama do Cruzeiro do Sul (magnitude = 2)

Ceará

Wei - Epsilon do Escorpião (magnitude = 2)

Distrito Federal

Sigma do Oitante (magnitude = 5) (*)

Espírito Santo

Intrometida - Epsilon do Cruzeiro do Sul (magnitude = 4)

Goiás

Canopus - Alfa de Argus (magnitude = 1)

Maranhão

Acrab ou Grapffias - Beta do Escorpião (magnitude = 3)

Mato Grosso

Sirius - Alfa do Cão Maior(magnitude = 1)

Mato Grosso do Sul

Alfard - Alfa da Hidra Fêmea(magnitude = 1) (**)

Minas Gerais

Pálida - Delta do Cruzeiro do Sul(magnitude = 3)

Pará

Spica - Alfa da Virgem(magnitude = 1)

Paraíba

Girtab - Kapa do Escorpião(magnitude = 3)

Paraná

Gama do Triângulo Austral(magnitude = 3)

Pernambuco

Mu do Escorpião(magnitude = 3)

Piauí

Antares - Alfa do Escorpião(magnitude = 1)

Rio de Janeiro

Mimosa - Beta do Cruzeiro do Sul(magnitude = 2)

Rio Grande do Norte

Shaula - Lâmbda do Escorpião(magnitude = 2)

Rio Grande do Sul

Atria - Alfa do Triângulo Austral (magnitude = 2)

Rondônia

Muliphen - Gama do Cão Maior (magnitude = 4)

Roraima

Wezen - Delta do Cão Maior(magnitude = 2)

Santa Catarina

Beta do Triângulo Austral(magnitude = 3)

São Paulo

Acrux - Alfa do Cruzeiro do Sul (magnitude = 1)

Sergipe

Iotá do Escorpião (magnitude = 3)

Tocantins

Adhara - Epsilon do Cão Maior (magnitude = 2)

 

(*) Sigma do Oitante,
a estrela polar do hemisfério austral.

O Distrito Federal está representado celestialmente em nossa bandeira pela estrela Sigma da constelação do Oitante e localizada abaixo do Cruzeiro do Sul.

A escolha dessa débil estrela deve-se a sua singular posição praticamente imóvel, pois coincide com a do Polo Sul Celeste, com uma declinação de 89º 08' Sul e cuja altura em qualquer lugar corresponde, aproximadamente, à latitude do lugar de onde é vista.

Por outro lado, só uma estrela polar, ao redor da qual as outras parecem girar, seria indicada para melhor representar o Distrito Federal, centro das demais unidades da Federação

(**) Alphard - Alfa da Hidrafêmea pertencia ao extinto Estado da Guanabara.

 

.

Copyright ©  -  Mundo Rotário Brasileiro - Todos direitos reservados.